Cultura deveria ser ponte e não muro! Será?

No início deste mês, uma menina branca foi (supostamente) abordada dentro do metrô de Curitiba por mulheres negras, pedindo para que ela retirasse o turbante que usava, pois tal atitude era apropriação cultural.

Então ela disse: “Tirei o turbante e falei ‘tá vendo essa careca, isso se chama câncer, então eu uso o que eu quero! Adeus.”, Peguei e sai e ela ficou com cara de tacho’”.

Após a repercussão nas mídias, determinada equipe de jornalismo a procurou para uma entrevista, mas ela disse não estar preparada para responder 🤔🤔🤔

Cadê as mulheres negras que pararam essa menina? Precisamos ouvir a versão delas, não é mesmo?

Enfim… Não estou aqui para dizer quem está certo ou errado, afinal sou uma operadora do Direito e tenho a plena certeza de que não se pode “condenar” pessoa alguma sem provas e direito a ampla defesa.

Contudo, essa semana li um comentário nas minhas redes sociais (cuja resposta está sendo neste post) que dizia o seguinte: “Cultura deveria ser ponte e não muro!” Fiquei tentando responder mentalmente… E me vieram diversos questionamentos:

1) De fato, cultura deveria ser ponte e não muro… Mas quando uma negra põe um turbante (principalmente se for branco) é chamada de macumbeira, ou recebe olhares de espanto, nojo, indignação, ouve que quer “aparecer”. Por outro lado uma mulher branca de turbante é cool, estilo, capa de revista. Dói, viu?

2) De fato, cultura deveria ser ponte e não muro… Mas se uma mulher/homem negro decide usar tranças, nagô, rasta, dread é chamado de preto sujo, fedido, mendigo, porca, questionam se lavamos o cabelo, se “dá” pra lavar… Por outro lado, uma pessoa branca, principalmente os loiros, que usam dread, rasta, fazem um verdadeiro “sucesso” por onde passam… Dói pra caramba, a gente sente na pele a descarada discriminação brasileira!

3) De fato, cultura deveria ser ponte e não muro… Mas não importa o que o negro/negra seja, faça, exerça, precisamos o tempo todo fazer o melhor, nos impor, desconstruir, lutar! Médicos residentes, quantos negros você vê no Sistema Único de Saúde (tirando os profissionais de limpeza)? Já perdi a conta de quantas vezes fui atendida por médicos, brancos obviamente, que me olharam com cara de nojo, a ponto de eu sair e ir ao banheiro depois pra ver se eu estava suja, ou desarrumada, algo do tipo. É humilhante.

4) De fato, cultura deveria ser ponte e não muro… Mas quem disse isso foi uma colega branca, que felizmente não é objeto de racismo nem preconceito.

5) De fato, cultura deveria ser ponte e não muro… Mas essa ponte é da onde para onde? De brancos que viram “style” usando turbantes, dread, rasta? Estranho! Pois quando negros alcançam posições de destaque precisam exaustivamente provar sua qualificação. Essa ponte só funciona em uma direção, não há conecção, mão dupla, não há!

6) De fato, cultura deveria ser ponte e não muro… Mas quando exponho meus questionamentos sou A MIMIZENTA com complexo de inferioridade. Afinal, “os negros são os mais preconceituosos”. 🙄😒😴

7) De fato, cultura deveria ser ponte e não muro… Mas a questão não é sobre indivíduos, e sim sobre um coletivo, uma história, uma sociedade.

Eu, Ananza, jamais pararia alguém na rua pra arrancar turbante ou o que seja, cada um faz e usa o quer da vida, PORÉM…. Acredito que RESPEITO e EMPATIA pelo valor, cultura, credo do outro é ESSENCIAL!

Continue Reading