Presos que menstruam

Como cidadã, como operadora do Direito e principalmente como cristã, não posso e nunca vou compactuar com a falta de humanidade que essas mulheres sofrem.

Tese do meu TCC enquanto graduanda, a falta de dignidade, de humanidade no sistema penitenciário brasileiro é algo que me revolta!

Não importa o crime cometido, existe uma pena a ser cumprida e ponto. O fato de estarmos do lado de fora das grades, não nos torna melhor nem pior do que aquelas que estão sendo tratadas como lixo do lado de dentro do sistema. Diante de Deus necessitamos da mesma graça e do mesmo perdão.

Detentas!
Lutando por higiene e dignidade,
Fazem das paredes seus diários,
Num universo paralelo atrás das grades.

O que fizeram para estar ali?
Isso mão importa! O Estado virou as costas…
E a sociedade aplaude,
A total ausência de humanidade.

Descaso!
Descarado, quando o jornal vira papel higiênico,
E o miolo de pão absorvente…

Mulheres tratadas como homens na penitenciária,
Clamam em silêncio pela sobrevivência,
Se afirmando todos os dias como gente em meio a todo lixo e degradação.

Veja também

4 Comentários

  1. Oi, querida!

    Gostaria de compartilhar contigo, vindo também de uma jovem advogada, a minha perspectiva acadêmica, fruto de minha pesquisa de especialização em Ciências Criminais, sobre o feminino encarcerado.
    Caso se interesse: https://youtu.be/yfR1Cmwl1Ok
    Também amo este livro da Nana e sou muito passional em relação ao tema.
    A minha pesquisa, em breve, virará livro pela Editora Lumen Juris, em outubro. Te dou um alô quando sair!
    um abraço

    1. Oi Iara! Desculpa a demora, mas só agora vi seu comentário, tinha ido para spam por algum motivo.

      Assisti o vídeo e amei sua abordagem, parabéns! Quanto ao livro fiquei muito feliz em saber que vai publicar sua pesquisa. Eu tenho um livro também, mas de poesia ❤

      Me avise quando marcar o lançamento, quero te prestigiar! Obrigada pela visita 😘

  2. Caramba arrasou com este post! Um dia desses assisti um filme brasileiro sobre o presídio feminino e que não me recordo o nome no momento, mas lembro que era com a Priscila Fantin, e numa parte do filme, ela brigava com um policial pq ele tinha ido cobrar a uma presidiária o dinheiro do absorvente que ele havia dado à ela. Como ela não tinha o dinheiro, ele queria um pagamento especial (favores sexuais). Na hora pensei, nossa que absurdo esse sistema e que nojo que me deu do policial. Ótimo post mesmo. Adorei. Um bjo flor.

    1. Pois é Dany, infelizmente a situação do sistema penitenciário brasileiro é caótica. Acredito (e vou sempre acreditar) que a pena precisa ser cumprida com humanidade. As mulheres são tratadas como homens lá dentro. Essa poesia é inspirada em um livro, que relata esses acontecimentos…
      Fico feliz que tenha gostado! Gratidão pela visita. Beijos!

E aí, o que achou? Comente aqui, seu feedback é muito importante para mim.