Rafael Braga – Mais um na estatística do nosso sistema penal racista e seletista

Rafael Braga, o único condenado nas manifestações de junho 2013.

Na audiência de ontem, terça, dia 01/08/2017, no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, dois desembargadores votaram pela manutenção da prisão e um pediu vistas. 

Você o conhece?

Rafael é um homem, negro, pobre e na época, catador de produtos para reciclagem, não estava participando das manifestações, mas foi preso e condenado a 5 anos de reclusão em regime fechado, por “acharem” que “supostamente ele “poderia” produzir um coquetel molotov, por estar com uma garrafa de “Pinho Sol” (desinfetante) e uma de cloro. Pasmem!

O lauto técnico do esquadrão anti-bomba concluiu que, o material (Pinho sol e o cloro) tinha mínima aptidão e ínfima possibilidade de funcionar, ou seja, NÃO ERA INFLAMÁVEL! Ainda assim, a condenação por “porte de aparato incendiário ou explosivo” foi mantida. Essa é a nossa “justiça“.

Em dezembro de 2015, a defesa recorreu e conseguiu o “benefício” do regime semi-aberto, onde Rafael passou a ser monitorado por uma tornozeleira eletrônica, em outros termos, passou a “andar carimbado“. Teoricamente essa medida é mais benéfica ao réu, mas quando há o detalhe do cidadão ser negro, pobre e morador de favela… Aí amigo, é tenso!

Certo dia, Rafael foi comprar pão para sua mãe, no Complexo do Alemão (comunidade no bairro da Vila Cruzeiro) quando foi abordado por policiais que ao verem seu “carimbo“, o questionaram o “porque da tornozeleira“, segundo seu depoimento, ele respondeu que “estava respondendo por manifestações”. Não satisfeitos, os policiais o indagaram a respeito do tráfico de drogas em sua localidade, mas a resposta de Rafael não agradou – “não posso ajudar pois não conheço quem é do tráfico“.

Estava assinado mais uma condenação. Rafael narra que, os policiais descontentes por ele “não poder colaborar”, o agrediram e o prenderam, além de “plantarem” um rojão, 0,6g de maconha e 9,3g de cocaína em sua conta. Normal, né? O famoso “flagrante forjado“.

Resultado: condenado a 11 anos de prisão, mais multa de R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais). Observações: depoimentos contraditórios dos policiais, única testemunha de defesa ignorada. Aplicação da lei? Não! É seletividade do sistema penal

Vamos rasgar a Lei de Drogas (11.343/06), porque o que de fato determina se a pessoa é usuária ou traficante, não é a quantidade, não é! É a sua cor de pele, sua classe social, acredite! Pesquisas demostram que a mesma quantidade de drogas em áreas nobres da cidade é tida como “uso”, mas em regiões “periféricas”, como “tráfico”. 

Rafael foi preso sozinho, com R$ 3,00 (três reais) no bolso, sem qualquer prova de associação ou permanência em local que pudesse caracterizar venda, e uma série de questões infundadas que evidenciavam o flagrante forjado em que ele foi submetido, mas nada disso foi suficiente para provar que o negro, pobre, favelado é inocente! Dói.

A luta continua! #LibertemRafaelBraga

Continue Reading

5 coisas que não podem faltar no seu blog!

Eu costumo ler muitos blogs por semana, mas já deixei de comentar em vários por não achar o lugar… Poxa, facilita galera! Como blogueira e principalmente leitora, acredito que alguns itens são essenciais e não podem faltar de jeito algum em nossa página.

🗣 SOBRE VOCÊ

Quero entrar no seu blog e saber quem está escrevendo, quero ver sua foto! Um breve texto falando “sobre você é simpático, profissional e com toda certeza faz a gente querer saber mais (ou não) sobre o seu trabalho. Parece bobagem, mas tem páginas que já entrei e saí sem conseguir saber de quem era, e eu procurei, sério!

🗣FACILITA O FEEDBACK

Mesmo caso acima, dificuldade para achar a caixa de comentários. Eu sei que há alguns layouts que são mais complicados mesmo, mas sugiro fazer um teste na sua própria página. Se você gastar mais de 30 segundos para conseguir comentar um post, tem algo errado! Resolva, está perdendo leitores. Facilita pra gente, por favor.

🗣REDES SOCIAIS

Se realmente tiver o interesse de divulgar suas redes sociais, deixem elas visíveis em sua página! Pelo menos aquelas que mais utilizam, não coloque o ícone para redirecionar, e sim aquele que possibilita seguir/curtir direto.

🗣CONFORTO NA LEITURA

Desânimo que me bate é quando eu entro em um blog e o layout é escuro, chamativo ou poluído ao ponto de dificultar ou cansar minha leitura. Somente se o conteúdo for realmente do meu interesse eu leio até o final, do contrário, eu saio.

Essa é uma preocupação que eu como blogueira sempre tenho, proporcionar conforto visual para meus leitores. Não é apenas uma questão estética, é de saúde, principalmente. O cuidado com a cor, tamanho da fonte, layout limpo e organizado do blog é essencial, além de manter por mais tempo a interação dos seus leitores em sua pagina.

🗣FORMULÁRIO DE CONTATO

Outro item indispensável é o formulário de contato. Às vezes queremos entrar em contato com o(a) blogueiro(a) para fazer um convite, solicitar informações ou indicar uma correção por exemplo, e não há espaço para isso, haja vista que nem sempre a área de comentários dos posts é o local mais adequado. Então, sugiro a vocês se ainda não tiverem, colocarem. Nós, leitores e blogueiros, agradecemos.

 

Continue Reading

Tarde de autógrafos no Colégio Estadual José Francisco de Salles

Essa semana recebi um convite da biblioteca Eudóxia Manhães de Salles, do Colégio Estadual José Francisco de Salles, para prestigiar a primeira tarde de autógráfos das crianças e adolescentes.

Um projeto inspirador! Cada aluno fez um livrinho, contando histórias e poemas… Pude contar um pouco da minha experiência como escritora, desde o tempo que escrevia em folhas soltas e escondia meus escritos, até a publicação do meu livro e a criação do blog.

Liana Vilaça dos Santos

Eu recebi alguns exemplares das crianças e num deles dizia:Ananza, obrigada por me fazer acreditar. Ps. Continue a acreditar“. Tem noção? Isso não tem preço!

Em casa, lendo os livros, me emocionei de verdade! A simplicidade, a verdade do olhar e da fala da criança, faz reviver em nós aqueles sonhos estagnados, esquecidos.

Liana escreveu: “Eu e minhas amigas“, com tão pouca idade, ela já aprendeu a compreender e a respeitar as diferenças das pessoas que ama, e olha o quanto de adulto nesse mundo ainda não aprendeu isso heim! Parabéns Liana!

                     

Joana da Costa Gonçalves

Joana escreveu sobre “A Raposinha Solitária“, um texto que nos inspira a acreditar que nossa história, por pior que seja, pode ser mudada! Obrigada Joana.

Ludymila contou sua “Viagem ao Rio de Janeiro“, a cada descoberta, surpresa e alegria ela registrava, mas também não era para menos né?! Rio

Minha gratidão à Natale Vaz e a Isabela Levisky que me convidaram para esse maravilhoso trabalho!

E a Baurete Barreto, que participou da coletânia “Jofransa e Poesia“, foi um prazer conhecê-la, com toda certeza em breve estarei prestigiando o lançamento do seu primeiro de muitos livros!

 

Ludymila Costa Gonçalves

 

Meus parabéns a todos que participaram da exposição, tanto aos que eu pude conhecer, quanto aos que não puderam estar presente!

E um conselho: Não desistam dos seus sonhos! Vocês são todos capazes 😍

Continue Reading

Pediram-me para falar de “amor”

Pediram-me para falar de amor,
Fiquei meio encabulada.
Combustível que consome a humanidade,
Eros. Está por toda parte.

Phileo, alguém o conhece?
Costumava ser presente,
Em outras gerações…
Um amor altruísta, que hoje está em extinção.

E quem sobrevive,
Em meio a tanto egoísmo?
Eros e Phileo não se sustentam sozinhos…

Necessário um amor intransponível, paciente, benigno,
Esse sim… Inspira-me!
Ágape. O amor de Cristo.

Continue Reading

Casa 1: gerada pela ausência do seu amor

Já ouviu falar na casa 1? Os motivos que levaram a criação dela, destruíram meu coração.

Na foto Iran Giusti (barba) e Otávio Salles (camiseta verde) – coordenadores da casa – Foto: NILTON FUKUDA

Casa 1 é uma casa de acolhimento para LGBTs expulsos de casa, que funciona em um sobrado no bairro de Bela Vista, São Paulo/SP. Entre os moradores há vítimas de violência física e psicológica, pessoas que foram ameaçadas de morte por vizinhos ou pela própria família.

O Projeto nasceu de um financiamento coletivo, uma iniciativa totalmente voluntária, sem qualquer patrocínio público ou privado.

Segundo Otávio, um dos idealizadores, o intuito é proporcionar aos residentes oportunidades que geralmente lhes são negadas por conta do preconceito. Cada pessoa acolhida pode permanecer por até 3 meses na casa, período que pode ser estendido conforme as necessidades individuais. Durante o período de acolhimento, a pessoa recebe atendimento individual, suas necessidades são entendidas e busca-se ajuda de voluntários que possam auxiliá-la. Os próprios moradores são responsáveis pela comida, limpeza e cuidados com a casa, que funciona como uma república.

Daí eu fiquei pensando… Meu Deus! Eram para essas pessoas estarem com seus pais, com sua família. Acolhidos em amor, respeito e compreensão.

Acredito que ninguém é obrigado a concordar com a forma que o outro leva a vida, mas com toda certeza devemos respeitar. Isso é cidadania, consciência de que não moramos em uma bolha (em tese), e sim em sociedade. Vivemos num Estado democrático de direito, mas em muitos lares a ditadura permanece, infelizmente.

Cara, é cruel! E o que mais fiquei indignada foi saber que a grande parte dos moradores da Casa 1 são filhos de “pastores“. Mas que pastores são esses que nem mesmo seus filhos apascentam, amam? Qual foi a ovelha que Cristo rejeitou? Nem mesmo Seus traidores.

A hipocrisia que hoje transborda as igrejas, tem feito mais vítimas que o “poder paralelo” no país. A palavra de muitos pais só faz segregar, deprimir, matar seus filhos.

Tenho vontade de abraçar essas pessoas e dizer: ei, Jesus te ama! A tua expulsão de casa, nada tem a ver com Ele. O amor de Deus, o amor Ágape ensinado em Sua Palavra JAMAIS contemplaria qualquer atitude desumana.

O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 1 Coríntios 13:1-7

Veja bem, esse post tem uma única pretensão: questionar o “amor” dessas famílias, desses pais. Questionar o meu, o seu amor pelo próximo. Sinto-me envergonhada e impotente diante desse cenário absurdo que há em nossa sociedade. Pessoas doentes da alma, do corpo e da mente que se sentem no “direito” de atingir a dignidade do outro. 

Se esse post chegar a algum de vocês, moradores da Casa 1 e toda comunidade LGBTs, quero pedir perdão! Perdão por esses indivíduos que estampam o nome de Cristo no peito mas que nunca O conheceram! Onde há qualquer tipo de violência não existe Deus.

Continue Reading